“Saibam que infinitas coisas eu descobri, mas ensino o que é importante: A existência do sofrimento humano, suas causas e o modo de superá-lo.”

Sidharta Gautama
O Buda





Há mais de 2.600 anos viveu, no norte da Índia, um príncipe de nome Sidharta Gautama. Impressionado com a situação insatisfatória da vida humana, sempre presa à doença, velhice e morte, a estar junto do que se detesta e longe do que se deseja, renunciou ele à riqueza e ao conforto material para buscar uma solução dos problemas humanos.

Após anos de meditação, finalmente obteve o estado de profunda iluminação, passando então a ser conhecido como Buda, ou seja, “o Desperto”.

O Despertar, se é que pode ser singelamente definido, é um estado de liberdade mental livre de medos e limitações, no qual as barreiras entre aquilo que ilusoriamente consideramos como um verdadeiro “eu” e todo o universo finalmente desaparecem.

O termo Despertar, ou Iluminação, refere-se assim a quem “abriu os olhos” e começa a enxergar a realidade como que em um dia claro, em contraposição à uma noite escura.

Buda é também um estado, uma condição que qualquer um pode alcançar, de uma pessoa que, superando a ilusão da dualidade tem a verdadeira percepção da realidade, naturalmente ampla e harmônica.

Budismo

Após seu Despertar, Buda explicou durante quarenta e quatro anos ininterruptos o que havia descoberto e, com sucesso nessa empreitada, ajudou inúmeras outras pessoas a atingir, assim como ele, o estado de Iluminação, o estado de percepção correta da realidade e de si próprio.

Após seu passamento seus discípulos continuaram a ensinar e treinar outras pessoas, de modo que os ensinamentos do Buda foram se difundindo e crescendo por vários países através dos tempos, adaptando-se aos povos e culturas locais, formando o que conhecemos hoje por Budismo, formado atualmente por várias escolas independentes.

As diversas escolas budistas, nos cinco continentes, têm características próprias que enfatizam aspectos distintos do ensinamento original do Buda, porém objetivando o mesmo fim de sabedoria e compaixão universais e, procurando ensinar através de estudos e práticas, com atenção especial para a meditação, como os homens podem superar a limitação humana, seus preconceitos e ignorâncias, atingindo um estado de compreensão profundo de si e de tudo o que existe e eliminando todo tipo de obstáculos, tais como a ira, a cobiça e o egoísmo, que impedem a felicidade e a plena realização humana.

O menu desta página encaminha para as explicações de alguns dos conceitos centrais do Budismo de forma resumida, além de fornecer mais informações sobre o Templo Enkoji.